A memória e o envelhecimento

Memória enquanto um constructo cognitivo envolve o processo de aprendizagem de informações novas, seu armazenamento e disponibilidade de acesso a essas informações14. A psicologia cognitiva demonstra que os processos de memória podem ser subdivididos em três operações básicas: codificação (entrada), armazenamento (manutenção) e evocação (acesso e produção) cada uma representando um estágio no processamento da memória. A neuropsicologia cognitiva baseada em estudos de casos clínicos e teorias de dissociação subdividem a memória em estruturas em decorrência da sua localização neuroanatômica14.

ESTÁGIOS DA MEMÓRIA

A memória conforme definida pelas teorias de processamento das informações da psicologia baseia-se em conceitos oriundos das redes neurais, inteligência artificial e modelos computacionais. Estas teorias que surgiram na década de 60 com o advento das tecnologias derivadas do surgimento dos computadores e a criação de ambientes controlados e experimentais baseados em simulações artificiais dos modelos cognitivos14. Este conceito de memória se caracteriza pelo processamento de informações em três estágios: codificação (entrada da informação), armazenamento (consolidação, manutenção da informação no sistema de memória) e evocação (acesso e produção de informações já armazenadas). Estes estágios não são meramente seqüenciais e sim interagem reciprocamente e são interdependentes10,14.

O primeiro estágio de processamento de informação é a codificação que envolve a transformação de estímulos do ambiente envolvendo diferentes modalidades sensoriais (auditivos, visuais, táteis, etc) na construção de redes eletroquímicas de neurônios. Esta construção de redes neurais é o processo de codificação, entrada de informações novas no sistema de memória. Nos seres humanos, as formas mais utilizadas de codificação são: visuais (imagens, formas, cores); auditivas (repetição oral, músicas, rimas) e semânticas (associação, significado dos estímulos)10,14,15. A codificação semântica é a mais eficiente entre os seres humanos porque conecta estímulos novos com informações já armazenadas no sistema de memória. A combinação das três formas de codificação é mais utilizada e demonstra melhor capacidade de armazenamento que o uso de uma das formas isolada. Existem algumas estratégias mnemônicas que facilitam a codificação de novas informações, entre elas, a organização e agrupamento do material (organizar itens em categorias) e construção de imagens interativas (criar imagens que associem os itens em uma configuração única)14.

O segundo estágio de processamento de informação é o armazenamento que envolve a consolidação e manutenção das redes neuronais construídas no processo de codificação. Este armazenamento depende da relevância, repetição e conteúdo emocional destas informações codificadas em forma de circuitos de neurônios. O armazenamento pode ser subdividido em: a) sensorial (quantidade elevada de estímulos armazenados em um período muito curto de tempo aproximadamente milissegundos); b) curto-prazo (quantidade limitada de informações armazenadas – em torno de 7 itens – em um período de aproximadamente um segundo); c) longo-prazo anterógrada (informações relevantes recentes do cotidiano para serem armazenadas por um período de segundos, minutos, horas, dias); retrógrada (informações relevantes mais antigas para serem armazenadas por um período de meses, anos e até a vida toda). O sistema de memória de longo-prazo também pode ser dividido em sistema explícito (processa informações de forma consciente, intencional) e implícito (processa informações de forma pré-consciente). Estes conceitos em relação ao tempo são didáticos e ainda são discutidos na literatura de psicologia cognitiva e neurociências10,14,15.

O terceiro e último estágio de processamento de informações no sistema de memória é o de evocação que envolve o acesso às informações já armazenadas e a produção destas informações em forma de fala, desenhos, gestos ou outras manifestações comportamentais. A evocação consiste na reconstrução das redes neurais desenvolvidas no processo de codificação. Assim, pistas associadas ao processo de codificação facilitam a evocação. Imagens, pensamentos e outros estímulos desencadeiam um processo de evocação. A produção espontânea de estímulos é mais difícil que a produção baseada em reconhecimento (alternativas entre os estímulos) ou pistas semânticas (significado) ou pistas fonêmicas (sons das palavras)10,14,15.

ESTRUTURAS DA MEMÓRIA

A estruturação da memória e sua subdivisão baseiam-se nas teorias oriundas da neurologia clássica e da neurociência cognitiva que ao estudar casos clínicos de pacientes neurológicos observaram que em decorrência de determinada lesão cerebral, o paciente apresentava déficit significativo de algum sistema de memória. Um caso clássico descrito na literatura foi o do HM, paciente com lesão bilateral dos hipocampos com amnésica episódica anterógrada. A neuropsicologia cognitiva demonstra pelos estudos de dissociação que a memória não é um sistema único e sim se subdivide em diferentes estruturas baseados nos substratos neuroanatômicos envolvidos16.

A primeira grande divisão envolve o processo de armazenamento: memória de curto-prazo e longo-prazo. O modelo experimental desenvolvido por Baddeley2 para explicar a memória de curto-prazo é denominado memória de trabalho. Esta memória consiste no estoque temporário e limitado de informações que serão utilizadas em um período curto de tempo (segundos). Envolve o armazenamento e processamento de informações. A memória de trabalho está associada a circuitos cerebrais pré-frontais.

A segunda grande divisão envolve o sistema de memória de longo-prazo que se subdivide em explícito (informações conscientes) e implícito (informações pré-conscientes)16. O sistema explícito divide-se em memória episódica e semântica. A memória episódica consiste na recordação de fatos e eventos circunscritos no tempo e espaço. Quando o tempo é recente (minutos, horas, dias) é denominado de anterógrado. Quando o tempo é mais antigo é denominado retrógrada17. Joana almoçou risoto, ontem às 12 horas no restaurante em frente a sua casa é um exemplo de memória episódica anterógrada. Joana gerou o seu primeiro filho no dia 15 de agosto de 1959, na maternidade pública Santa Mônica, às 15 horas é um exemplo de memória episódica retrógrada. Memória semântica envolve a formação de conceitos sobre objetos, pessoas, adquiridos ao longo da história de vida, não são localizáveis no tempo e espaço17. Joana sabe que risoto é uma comida feita com arroz, estas informações são armazenadas no sistema semântico. Os sistemas de memória explícita envolvem estruturas do lobo temporal16. A porção medial (formação hipocampal) envolve as memórias episódicas anterógradas e as porções laterais envolvem as memórias episódicas retrógradas e semântica.

O sistema implícito inclui a aprendizagem associativa que pela repetição torna-se processos automáticos importantes para desenvolver um repertório de hábitos, habilidades e condicionamentos clássicos e operantes. Ao aprender a dirigir um carro, um indivíduo necessita realizar cada etapa separadamente, após anos de prática, realiza todos os comandos simultaneamente e de forma muito rápida. Este procedimento torna-se implícito, ou seja, sem envolvimento de processos atencionais conscientes. Estas aprendizagens envolvem estruturas cerebrais estriatais e cerebelo. Outro tipo de memória implícita é o fenômeno da pré-ativação que consiste em uma maior facilidade de detectar estímulos previamente apresentados de forma não consciente. Este fenômeno pode ser demonstrado por inúmeros experimentos e em situações cotidianas, como por exemplo, a maior familiaridade para aprender inglês ou espanhol em decorrência da excessiva exposição destas línguas estrangeiras quando comparado com a aprendizagem do hebraico ou japonês. A pré-ativação envolve o neocortex cerebral. Ainda outro tipo de memória implícita é a aprendizagem não associativa que consiste na habituação e sensibilização a diferentes estímulos sensoriais. Esta aprendizagem envolve os sistemas cerebrais sensoriais4,10,14,15.

FUNCIONAMENTO DA MEMÓRIA NO ENVELHECIMENTO

Estudos clássicos e recentes visam caracterizar o funcionamento de memória no processo de envelhecimento. No envelhecimento benigno, observa-se um quadro de disfunção pré-frontal leve caracterizado por discreto prejuízo das funções executivas envolvendo um comprometimento leve, porém significativo da memória de trabalho. Assim, os idosos apresentam maior dificuldade de codificar novas informações11.

Na depressão, observa-se um perfil cognitivo semelhante ao envelhecimento benigno, contudo o déficit de memória de trabalho é mais acentuado e a falha principal ocorre na evocação de informações novas ou já armazenadas no sistema de longo-prazo11. Em ambos os diagnósticos, as atividades instrumentais e básicas da vida diária encontram-se preservadas.

No comprometimento cognitivo leve associado ao envelhecimento, quadro descrito como de transição para uma síndrome demencial, observa-se quatro perfis neuropsicológicos típicos. Cada perfil caracteriza um estágio pré-clínico de diferentes síndromes demenciais. No comprometimento cognitivo leve tipo amnésico, os pacientes apresentam alterações no lobo temporal medial (hipocampo) e demonstram alta taxa de conversão para Doença de Alzheimer. O perfil neuropsicológico se caracteriza por comprometimento acentuado da memória episódica anterógrada e disfunção executiva muito leve. No comprometimento cognitivo leve de múltiplas funções, os pacientes apresentam alta taxa de conversão para Doença de Alzheimer e Demência Vascular, observa-se déficit leve ou muito leve de memória episódica anterógrada e memória de trabalho. No comprometimento cognitivo leve de linguagem, os pacientes apresentam alterações na área de Broca com evolução para Afasia Progressiva Primária. No comprometimento cognitivo leve específico de funções executivas e alterações de comportamento, os pacientes evoluem para demência fronto-temporal11.

Na Doença de Alzheimer em estágio inicial, observa-se comprometimento do lobo temporal medial e lateral bem como de estruturas pré-frontais. O perfil neuropsicológico se caracteriza por comprometimento acentuado da memória episódica anterógrada e semântica associada à disfunção executiva e de forma variada de outras funções cognitivas11. Observa-se comprometimento do funcionamento cognitivo global e das atividades da vida diária.

Na Doença de Parkinson em estágio inicial, observa-se um comprometimento acentuado da memória de trabalho e um prejuízo da aprendizagem implícita de novas habilidades, hábitos e condicionamentos11.

O conhecimento dos diferentes perfis cognitivos relativos ao processo de envelhecimento é fundamental para o estabelecimento de diagnóstico diferencial entre envelhecimento normal, depressão, comprometimento cognitivo leve e síndrome demencial. Uma vez realizado os exames e avaliações necessárias para definir o diagnóstico, pode-se, então, definir um plano de tratamento e estratégias terapêuticas para cada situação clínica.

fonte :http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=191

Especialidades

Neurologia Geriatria Pneumologia Medicina do Sono Reumatologia Endocrinologia Enfermagem Fonoaudiologia Terapia Ocupacional Nutrição Psicologia Fisioterapia
X
×