Tontura

Tontura é a terceira maior queixa entre os pacientes ambulatoriais em geriatria, perdendo apenas para dor e fraqueza. É a causa mais comum de visita ao médico após os 75 anos de idade. Está presente em 1% dos jovens e em 30% dos idosos.

Temos basicamente 4 tipos de tontura, e cada uma delas tem um significado especial em termos de diagnóstico e tratamento.

A tontura que causa vertigens, em que roda a cabeça ou os objetos que estão em volta da gente, e que podem causar movimentos involuntários dos olhos pode ser de origem central ou periférica. Com o exame clínico seu médico pode definir com muita precisão sua origem. A tontura de origem periférica representa na maioria das vezes uma doença benigna chamada de Vertigem Postural Paroxística Benigna, e que pode ser curada ou muito melhorada com uma simples manobra de cabeça feita no consultório, sem necessidade de medicamentos. Ainda se enquadram aí as doenças como a síndrome de Meniere e a Labirintite, que são em número muito menor. Então, diferente do que pensam muitas das pessoas, a labirintite é uma das menores causas de tontura que se tem, e apenas seu médico é capaz de fazer a diferença e tratar de forma segura e adequada sua tontura.

As vertigens de origem central são mais graves, e na maioria das vezes estão relacionadas com tumores, derrames ou inflamações no cérebro.

A tontura do tipo pré-síncope, em que se sente um escurecimento na visão ou sensação de desmaio, normalmente tem como causa as doenças cardíacas ou as causas não cardíacas. Entre as principais causas cardíacas de tontura temos as arritmias cardíacas e a estenose aórtica, que é um defeito na válvula aórtica do coração. Entre as causas não cardíacas principais estão a queda de pressão por mudança de postura (hipotensão postural) e o uso de alguns tipos de medicamentos, inclusive alguns usados no tratamento de pressão alta.

Outro tipo de tontura é aquela que causa desequilíbrio, e sua principal causa são doenças do cerebelo. Além delas, derrames e doenças dos nervos periféricos (neuropatias periféricas) dão com frequência esse tipo de tontura.

Na avaliação da tontura, temos que nos lembrar sempre das tonturas diferentes dessas, ou aquelas que se manifestam de várias formas diferentes, que se apresentam em transtornos psiquiátricos como ansiedades, fobias e hiperventilação.

Também, é de fundamental importância na avaliação de tonturas, pensarmos nos problemas de coluna, audição, visão e outras causas, até algumas ortopédicas, para esclarecer o problema.

Então, diferente do que pensa, a minoria das tonturas tem como causa a labirintite, e se sua tontura não for bem diagnosticada, seu tratamento não será adequado, e poderá levar a problemas maiores no futuro, como uma tontura crônica ou a efeitos nocivos de medicamentos. Vale lembrar que a maioria dos medicamentos usados de rotina para tratamento das tonturas pode levar o paciente a apresentar uma doença parecida com a doença de Parkinson, aquela que dá tremores nas mãos, e que os médicos raramente, ou quase nunca se utilizam dessas drogas.

Portanto, tontura não é um sintoma simples como a maioria das pessoas pensam, e no caso de aparecer em você, ninguém melhor que o seu médico para fazer um diagnóstico preciso e um tratamento adequado. Converse com o seu médico, seja mais amigo e confidente dele, e todos os benefícios dessa amizade se reverterão a seu favor.

Especialidades

Neurologia Geriatria Pneumologia Medicina do Sono Reumatologia Endocrinologia Enfermagem Fonoaudiologia Terapia Ocupacional Nutrição Psicologia Fisioterapia
X
×